Padrão da Raça

PADRÃO DO ITALIAN GREYHOUN OU PEQUENO LEBREL ITALIANO

Classificação F.C.I.:
Grupo 10 – Lébreis
Seção 11 – Lebréis de Pelo Curto
Padrão FCI n° 200 – 05 de janeiro de 2011
País de origem: Itália
Nome no país de origem: Piccolo Levriero Italiano
Utilização: Caça e corrida. Sem prova de trabalho.

1 – Trufa
2 – Focinho
3 – Stop
4 – Crânio
5 – Occipital
6 – Cernelha
7 – Dorso
a – profundidade do peito
8 – Lombo
9 – Garupa
10 – Raiz da cauda
11 – Ísquio
12 – Coxa
13 – Perna
14 – Jarrete
b – altura do cotovelo
15 – Metatarso
16 – Patas
17 – Joelho
18 – Linha inferior
19 – Cotovelo
20 – Linha do solo
21 – Metacarpo
a + b = altura do cão
22 – Carpo
23 – Antebraço
24 – Nível do esterno na cernelha
25 – Braço
26 – Ponta do esterno
27 – Ponta do ombro
 
APARÊNCIA GERAL DO ITALIAN GREYHOUND: de forma delgada, seu corpo se ajusta em um quadrado. Embora de tamanho pequeno, caracteriza integralmente um “sighthound” (lebrel) miniatura: o protótipo de refinamento e elegância. Pode ser considerado um modelo de graça e distinção.

PROPORÇÕES IMPORTANTES: seu comprimento é igual ou, apenas, inferior a altura na cernelha. O comprimento do crânio é igual a metade do comprimento da cabeça. O comprimento da cabeça pode atingir 40% da altura na cernelha.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: vivaz, afetuoso, dócil.

CABEÇA: de forma alongada e estreita.

REGIÃO CRANIANA

CRÂNIO: plano, com os eixos superiores do crânio e do focinho paralelos. O comprimento do crânio é igual à metade do comprimento da cabeça, que tem os lados ligeiramente arredondados. Região sub-orbital bem modelada. Os músculos da cabeça não devem apresentar aparência pesada. Arcadas superciliares marcadas. Occipital não proeminente. Sulco mediano apenas ligeiramente marcado.

STOP: depressão nasal frontal apenas levemente marcada.


REGIÃO FACIAL
TRUFA: de cor escura, preferivelmente preta, com narinas bem abertas.

FOCINHO: cônico.

LÁBIOS: finos e aderentes, com as bordas pigmentadas e bem escuras

MAXILARES: maxilar alongado e incisivos bem alinhados, em forma de coroa, fortes em relação ao tamanho do cão. Dentes saudáveis e completos, inseridos perpendicularmente ao maxilar; mordedura em tesoura (isto é, os dentes superiores recobrem os dentes inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares).

BOCHECHAS: secas.

OLHOS: grandes, arredondados e expressivos, posicionados sub-frontalmente, nem inseridos profundos, nem salientes. Íris de cor escura; borda das pálpebras pigmentadas.

ORELHAS: inseridas muito altas, pequenas, com cartilagem fina. Dobradas sobre si mesmas e portadas bem para trás da nuca e na parte superior do pescoço. Quando o cão está em atenção, a base da orelha é ereta e o seu lóbulo tende a projetar-se lateralmente na horizontal, posição comumente chamada de “orelhas voadoras” ou “orelhas em hélice”.

PESCOÇO: a nuca é ligeiramente arqueada e quebrada em sua base na cernelha. A linha do pescoço é levemente convexa. Pescoço de comprimento igual ao da cabeça, com a forma de um cone truncado, bem musculoso. Pele aderida e sem barbela.

TRONCO: seu comprimento é igual ou ligeiramente inferior a altura na cernelha.

LINHA SUPERIOR: reta, de perfil, com a região dorso-lombar ligeiramente arqueada. A curva lombar funde-se harmoniosamente na linha da garupa.

CERNELHA: muito bem definida, com a ponta dos ombros posicionadas bem próximas.

DORSO: reto, bem musculoso.

GARUPA: bem inclinada, larga e musculosa.

PEITO: estreito, sólido, mas elegantemente modelado, com costelas ligeiramente arqueadas. Profundo, descido até os cotovelos.

LINHA INFERIOR E VENTRE: o arco esternal muito curto é acentuado e se eleva suavemente para o ventre.

CAUDA: inserida baixa, fina, mesmo na base, afinando progressivamente para a ponta. Ela é portada baixa e reta na sua primeira metade; a segunda metade é curvada. Esticada, deve chegar ao topo do jarrete. Coberta com pelo curto.


MEMBROS
ANTERIORES

APARÊNCIA GERAL: no conjunto, são retos e verticais, com musculatura seca.

OMBROS: ligeiramente oblíquos com músculos bem desenvolvidos; músculos longos, esguios e salientes.

BRAÇOS: com um ângulo escápulo-umeral muito aberto paralelo ao plano mediano do corpo. Os braços são ligeiramente mais longos que as escápulas.

COTOVELOS: não virados nem para dentro, nem para fora.

ANTEBRAÇOS: retos. Estrutura óssea refinada, plana e esguia; em perfeita posição paralela, tanto visto de frente quanto de perfil. Sulco bem evidente do carpo ao cotovelo. Seu comprimento medido do solo ao cotovelo é ligeiramente mais longo que a distância do cotovelo à cernelha.

CARPOS E METACARPOS: secos. Vistos de perfil, são ligeiramente oblíquos.

Patas: de forma quase oval; pequenas, com dedos arqueados e bem fechados. Almofadas não volumosas, pigmentadas. Unhas pretas ou escuras de acordo com a cor da pelagem ou a cor das patas, onde o branco é tolerado.

POSTERIORES

APARÊNCIA GERAL: bem angulados. Vistos por trás, em seu conjunto, são retos e paralelos.

COXAS: longas, esguias, não volumosas, com distintos músculos.

PERNAS: muito inclinadas, com uma estrutura óssea refinada e com sulco aparente entre os músculos da perna. São um pouco mais compridas que a parte posterior da coxa.

METATARSOS: vistos por trás, devem ser paralelos.

PATAS: menos ovais do que as patas anteriores, com dedos arqueados e bem
fechados; almofadas não volumosas e unhas pigmentadas como nas patas anteriores.

MOVIMENTAÇÃO: elástica, harmoniosa; trote ligeiramente elevado, cobrindo o solo. Isto significa que as pernas anteriores devem se mover para frente, com bom alcance e com os metacarpos ligeiramente levantados e dobrados. Galope rápido, com um forte arranque.

PELE: fina e bem aderente sobre todas as partes do corpo, exceto nos cotovelos, onde a pele é ligeiramente menos aderente.


PELAGEM
PELO: é curto, sedoso e fino sobre todo o corpo, sem o mínimo vestígio de franjas.

COR: unicolor preto, cinza e isabela (amarelo pálido / bege), em todos os tons possíveis. Branco é tolerado somente nas patas e no peito.

TAMANHO / PESO

ALTURA DE CERNELHA: machos e fêmeas de 32 a 38cm.

PESO: machos e fêmeas: máximo 5 kg.

FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão.

• continuado passo de camelo.
• movimento de “hackney” (movimento alto com os anteriores).
• movimento próximo do solo, com passos curtos.

FALTAS DESQUALIFICANTES
• agressividade ou timidez excessiva.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.
• acentuada convergência ou divergência dos eixos crânio-faciais.
• trufa totalmente ou parcialmente despigmentada.
• cana nasal côncava ou convexa.
• mordedura prognata superior ou inferior.8
• olhos porcelanizados; total despigmentação das pálpebras.
• cauda portada sobre o dorso; sem cauda ou cauda curta, tanto a congênita quanto a artificial.
• ergôs.
• pelagem de diversas cores; exceto branco no peito e patas como mencionado acima.
• tamanho abaixo de 32 cm ou acima de 38 cm, tanto nos machos como nas fêmeas.

FALTAS ELIMINATÓRIAS (excluídos da reprodução)
• mordedura prognata superior.
• criptorquidismo; monorquidismo (unilateral).

NOTA:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem
desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.

Fonte: CBKC / FCI